“O Demonologista”: Leitura para os amantes de terror

Postado em 7 de outubro de 2017 por webmaster

Por: Carl

Andrew PYPER
Editora DARKSIDE BOOKS
2015
320 páginas

SINOPSE: “A maior astúcia do Diabo é nos convencer de que ele não existe”, escreveu o poeta francês Charles Baudelaire. Já a grande astúcia de Andrew Pyper, autor de “O Demonologista” (DarkSide® Books, 2015), é fazer até o mais cético dos leitores duvidar de suas certezas. E, se possível, evitar caminhos mal-iluminados. O personagem que dá título ao best-seller internacional é David Ullman, renomado professor da Universidade de Columbia, especializado na figura literária do Diabo – principalmente na obra-prima de John Milton, Paraíso Perdido. Para David, o Anjo Caído é apenas um ser mitológico. Ao aceitar um convite para testemunhar um suposto fenômeno sobrenatural em Veneza, David começa a ter motivos pessoais para mudar de opinião. O que seria apenas um boa desculpa para tirar férias na Itália com sua filha de 12 anos se transforma em uma jornada assustadora aos recantos mais sombrios da alma. Enquanto corre contra o tempo, David precisa decifrar pistas escondidas no clássico Paraíso Perdido, e usar tudo o que aprendeu para enfrentar O Inominável e salvar sua filha do Inferno. Este é um daqueles livros que você não consegue largar até acabar a última página, ainda que vá precisar de muita coragem para seguir em frente. “O Demonologista” ganhou o Prêmio de Melhor Romance do International Thriller Writers Award (2014), concorrendo com autores como Stephen King. Entrou em diversas listas de melhores livros de 2013, foi finalista do Shirley Jackson Award (2013) e do Sunburst Award (2014), chegou ao topo da lista dos mais vendidos do jornal canadense Globe and Mail e foi publicado em mais de uma dezena de países.

Para um livro de terror funcionar, ele precisa incutir medo no leitor, sem que ele precise se esforçar muito para imaginar as cenas do que lê. Precisa ser algo familiar, mas, ao mesmo tempo, inesperado. O principal elemento dos filmes de terror, a música e o som em tom alto nos momentos de susto, não existem nos livros. Ou seja, tudo reside no uso das palavras certas e na imaginação. A história é importante, mas não é essencial, porque, mesmo que ela seja boa, complexa, sem o medo, o objetivo fracassa.

Bem, nesse ponto, “O DEMONOLOGISTA” passa com louvor. Os trechos onde o Inominável – assim chamado, porque, em grande parte do livro, David Ullman, o narrador e personagem principal, não sabe o nome de com qual demônio está lidando –, aparece e exerce sua influência nas pessoas mortas, é assustador. Ou mesmo nos pesadelos de David, quando alguns segredos vão sendo revelados sobre o motivo dele ter sido o escolhido. Mas o mais assustador, na verdade, são as leituras do diário de Tess, a filha desaparecida de David, onde tudo o que está acontecendo com ele, foi revelado ou indicado pela filha muito antes, como se ela já soubesse o que iria acontecer.

As descrições do autor nos momentos de terror são precisas, claras, e surpreendem. Não tanto pelos detalhes, mas pela indução deles. Como exemplo, tem a passagem em que David está conversando com o Inominável em um parque deserto, e o demônio tem a forma de um menino que já morreu. Durante a conversa, ele sente a presença de algo ainda pior no meio das árvores da floresta em frente, mas não consegue olhar de tanto pavor, apenas ouve a respiração pesada e o peso dos passos do que está no meio das árvores. Essa parte é assustadora, e você se surpreende olhando para os lados durante a leitura, confirmando se está realmente sozinho com seu livro.

No início da leitura, fiquei decepcionado por o autor usar a passagem bíblica mais famosa sobre demônios, que é quando Jesus pergunta para um possuído o nome de quem está no comando, e ouve de resposta que é Legião, porque são muitos. Ela é usada à exaustão na maioria dos filmes de mesmo tema, mas, aos poucos, entendi que foi uma escolha acertada. Isso, porque ele mescla toda a história com Paraíso Perdido, a obra mais famosa do escritor inglês, John Milton. A história, dividia em dois arcos narrativos, sendo um de Lúcifer e o outro de Adão e Eva, é contada em versos métricos sem rima, reunidos em 12 livros a partir de 1674. Nela, existem diversos seguidores de Lúcifer, que o auxiliam na revolta contra Deus. David sabe que o Inominável é um desses seguidores, mas não sabe qual. E o demônio quer que David descubra o seu nome, porque se ele o pronunciar, terá poder sobre David. Então realmente existe uma coerência lógica e certa sobre a escolha.

Para resgatar Tess, sua filha, David precisa seguir as pistas deixadas pelo Inominável por meio país. A viagem não tem o objetivo da descoberta, mas da peregrinação, que causa um enorme desgaste físico e mental, deixando David cada vez mais suscetível à influência do demônio. Entretanto, o amor pela filha exerce uma força contrária, que o liberta nos momentos de maior desespero e o revigora para conseguir chegar ao final de sua flagelação.

Junto a David, temos dois personagens secundários de grande importância: Elaine O’Brian, a colega de trabalho por quem é apaixonado, mas com quem não pôde assumir o sentimento, por ser casado. E o Perseguidor, um assassino contratado para impedir David de tornar público a prova de que o demônio realmente existe e que ele quer se revelar ao mundo.

O’Brian está com câncer e acompanha David na busca por Tess, porque não tem nada a perder. Ela é a voz da razão, da lucidez, que o impele a descobrir os motivos e o nome do Inominável. Ela, de certa forma, é o próprio leitor, que faz as perguntas certas para o entendimento do que está acontecendo. O relacionamento entre os dois é cheio de nuances sobre o que podem ou não fazer, sobre o que podem ou não sentir.

O Perseguidor, embora apareça bem menos do que O’Brian, causa sempre uma tensão enorme, porque ele nunca se esconde, ele sempre revela sua presença e dá todas as chances que lhe são permitidas para que David entregue o documento visual da existência do demônio. As frases que ele solta tem sempre duplo sentido, sempre carregam uma mensagem ameaçadora e uma intimidação. E quando ele ataca, ele o faz sem misericórdia, sem chance de indulgência.

Entretanto, nem tudo é perfeito. Uma coisa me incomodou um pouco. Os diálogos, embora muito bem elaborados, parecem ser pronunciados sempre pelo mesmo personagem. Eles parecem refletir sempre a mesma acidez. As respostas de todos são sempre atrevidas, desprovidas da personalidade que identifica quem a pronuncia. Não existe uma diferença entre a qualidade das palavras, como se todos os personagens fossem o mesmo, e o que dizem só muda de acordo com a situação. Isso, por um lado, torna as conversas inteligentes, mas ignora que cada um tem uma altura diferente de conhecimento e de capacidade de resposta.

E, ao contrário da maioria dos filmes de terror, onde o final sempre peca pela cena a mais, ou pela falta dessa cena, o fim de “O DEMONOLOGISTA” deixará você soltar um suspiro de tranquilidade e fará seu rosto criar um pequeno sorriso de felicidade.

Tags:,




DEIXE UM COMENTÁRIO