Do Rio a LA: A trajetória da cineasta brasileira Camila Rizzo em Hollywood

Foi numa noite de papo divertido, na festa de despedida de uma amiga em comum, em Los Angeles, que Camila Rizzo e eu descobrimos que tínhamos algumas coisas em comum. Somos jornalistas, trabalhamos na TV Globo e, já mais experientes, juntamos dinheiro e mudamos para Los Angeles com o propósito de reinventar nossas vidas e nossas carreiras.

Mas, naquela noite, o que mais me chamou a atenção na longa conversa que tive com Cami foi sua paixão pelo seu mais recente trabalho, o curta-metragem “Headway” que, embora não seja baseado numa história real, os dois personagens principais são baseados no irmão de Camila, Pedro Rizzo, campeão do WVC, que disputou o cinturão do UFC três vezes e, hoje, aposentado das lutas, toca um projeto social com 500 crianças na favela de Manguinhos, no Rio de Janeiro, e em Igor, jovem austista cuja vida se transformou ao começar a lutar jiu-jitsu, a ponto dos médicos anunciarem que seu autismo mudou de moderado para leve, depois que ele começou a praticar o esporte.

Pedro Rizzo em ação. Foto: Susumo Nagao/Marcelo Alonso

Igor e seus pais. Foto: Dayse Faleta

Pedro Rizzo e as crianças do projeto social

Em “Headway”, os personagens são tio e sobrinho, e o curta mostra o que muda na vida do jovem autista quando o irmão da sua mãe, um ex-lutador, até então um desconhecido para ele, se muda para sua casa.

Filmagem de Headway

Na vida real, Pedro e Igor ainda não se conheceram pessoalmente, apenas através das redes sociais. Camila escreveu o roteiro, dirigiu e produziu o curta que está inscrito em diversos festivais, entre eles: o LA Shorts International Film Festival, em que “Headway” teve a sua estreia mundial em julho de 2018; LA Femme International Film Festival, em Los Angeles; Washington West Film Festival, em Washington DC e no Los Angeles CineFest.

O filme é belíssimo, e Camila contou com um elenco competente, uma equipe nota 10 e duas produtoras, que foram seus verdadeiros anjos da guarda: Bruna Cabral, que ajudou também no roteiro e locação, além de ser sua rommate, que acompanhou de perto os desafios da jornada e a ajudou a vencer os perrengues, e a Ligia Osorio, que correu atrás de baratear tudo o que era possível.

Camila Rizzo, Bruna Cabral e Ligia Osorio e o ator Hayden Currie

Muita água rolou na vida de Camila antes de “Headway” acontecer, como disse um poeta: “Sonhos se tornam realidade, mas têm um preço”, não só o preço financeiro (e neste caso, investimento financeiro não é pequeno), mas o preço emocional de fazer uma mudança radical, na terra estrangeira, mesmo depois de ter uma carreira estável no Brasil.

Além do que, nada acontece do dia pra noite e, no caso de Camila, a caminhada foi longa. Desde o tempo em que ela trabalhava como assistente de pós-produção de novela e seriados na TV Globo, como “A Favorita”, “A Diarista”, “O Astro” – que ganhou um Emmy Internacional de Melhor Telenovela – e “Os Amadores”, série do Alvarenga indicada ao Emmy Internacional, até, anos depois, no dia que da première de “Headway” no LA Short, em Los Angeles, quando um rapaz e duas senhoras, que estavam na plateia, vieram falar com Camila que ela tinha acabado de contar a história deles. Um deles era um professor de jiu jitsu, que tem um aluno autista e queria parabenizá-la pelo excelente trabalho, porque o filme está muito bem feito.

Equipe de Headway

Antes da consagração, Camila tinha um sonho de trabalhar como assistente de direção de produções da TV Globo, no Brasil, e para se qualificar ela veio fazer um curso de um mês na New York Film Academy de Filmmaking, em Los Angeles, em 2010.

Neste período, ela não só se apaixonou pela profissão de diretor, como, também, por LA. O curso acabou e Camila voltou para o Brasil, mas levou consigo seu desejo de retornar em breve para a Cidade dos Anjos. Neste meio tempo, ela abriu a sua produtora, dirigu um programa no Youtube, fechou uma parceria com a Uol, e começou a fazer vídeos de atletas do UFC por causa do seu irmão, além dos lucrativos videos corporativos. Em 2014, ela recebeu uma proposta para voltar para a Globo como editora de texto do programa “Mais Você”, da Ana Maria Braga, quando teve a incrível experiência de cobrir a Copa do Mundo. Este caminho a levou até o programa “Encontro com Fatima Bernardes”, em que trabalhou como roteirista e editora especial e foi lá que conheceu Igor, que foi convidado para participar do programa a partir de uma matéria que a Globo da Bahia fez em 2016. A história de um rapaz com a singularidade do autismo, uma síndrome que tem como característica evitar o toque, praticar um esporte como o jiu jitsu, que é puro toque, chamou a atenção de Camila e lhe inspirou a escrever o personagem do seu curta. O mais interessante é que o trabalho como assistente de direção na Globo, que motivou Camila a fazer o curso em Los Angeles anos antes, nunca rolou, mas o sonho de morar em LA e dirigir seu próprio filme aconteceu. Provando que a vida dá várias voltas e nos traz ao nosso destino das formas mais inusitadas possíveis.

Igor e sua mãe

Nada na trajetória de um cineasta estrangeiro que quer decolar a sua carreira em Hollywood, a capital do cinema no mundo, e, consequentemente, o lugar mais competitivo da indústria do entretenimento, é fácil, mas, certamente, com a ajuda de competentes amigos e boas ideias, toda a desafiadora caminhada se torna fascinante e as portas, com muita luta, se abrem.

Bastidores de Headway

Fica a dica de Camila para todos os companheiros brasileiros que sonham um dia estudar cinema, trabalhar no entretenimento ou produzir seus filmes em Hollywood:

“Primeiro, você tem que pesquisar os cursos e pesquisar o que realmente vale a pena. Se prepare financeiramente e psicologicamente, porque você vai passar por muita coisa, mas que vale a pena. Eu sou a favor da pesquisa, pesquise sempre. Existem grupos no Facebook para você perguntar. Às vezes, tem gente que me aborda: “Oi Camila, eu estou querendo ir para os Estados Unidos. O que eu faço?”. Pega pessoas e pergunta! Outro dia, o menino perguntou lá no grupo: “Eu sou editor e estou querendo ir para aí. Tem mercado de trabalho?”. Pergunta, estuda, veja como é que são as coisas, se prepare e se planeje. É isso.”

Bastidores da filmagem de Headway

Fiquem ligados no Hollywood é Aqui, pois amanhã publicaremos algumas curiosidades interessantes sobre o processo de criação e produção de “Headway”, que Camila compartilhou conosco e, também, algumas passagens da vida de Pedro Rizzo, seu irmão, e Igor, que inspiraram os personagens de sua estória. Imperdível conferir!

Um comentário sobre “Do Rio a LA: A trajetória da cineasta brasileira Camila Rizzo em Hollywood

Deixe uma resposta para Renata Farah Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *