Feliz aniversário, Gladys. Parabéns pela garra e determinação

Claudia, você tem prova hoje? Não. Ah, então vamos na Praça Saens Peña comigo? A gente faz um lanche no Café Palheta. Topado. Dois dias depois, o convite era pra ir à Mesbla, ou então ao recém-inaugurado Rio-Sul, que na época oferecia transporte gratuito, um frescão do metrô de Botafogo até o shopping pertinho do Canecão.

Aceitando os convites irrecusáveis da minha mãe para bater perna, eu passei muitas tardes da minha adolescência. Quem lê até pensa que a gente ia comprar alguma coisa. Que nada, íamos ver as lojas, as modas e curtir o movimento das ruas.

Enquanto algumas amigas tinham os dias ocupados por aulas de ballet, artes, e praticavam todos os esportes existentes para ocupar o tempo livre, eu saboreava lanches deliciosos com a minha mãe, ia ao cinema e explorava a cidade. Não é surpresa nenhuma que até hoje eu adoro uma rua, amo comer fora e sou zero consumista.

Mas uma das maiores bênçãos da forma como a minha mãe me criou, foi a completa ausência da necessidade de atingir qualquer tipo de perfeição. Claudia, você tem obrigação de estudar, mas não precisa tirar 10, precisa tirar nota boa para passar de ano. Outra obrigação, o curso de inglês. De resto, aproveite seu tempo. Com isso, mamãe me ensinou a ser uma pessoa responsável, pontual, que cumpria as suas obrigações, mas sem a paranoia de ser a melhor. Ser razoável já estava mais que satisfatório.

E, assim, aprendi a seguir a minha caminhada sem o peso de me cobrar demais e sem a ideia de perseguição a mim mesma, obcecada por fazer tudo certo, o que me traz uma sensação de liberdade e prazer gigantesca!

Hoje, mamãe comemora 72 anos. Enquanto enfrenta com força e determinação a sua batalha contra o câncer, segue com fé enfrentando as imperfeições da sua jornada. E sua luta é tão inspiradora como foram todas as tardes que ela deixou que eu trocasse os deveres de casa, pelos passeios pela Tijuca, faz mais tarde Claudia, vamos sair logo pra não bater preguiça.

Feliz Aniversário, mamãe. Como você sempre disse, a gente só tem uma chance, uma vida, uma adolescência, um período curto pra aproveitar os filhos, porque eles partem. A gente só tem uma chance e a gente aproveitou a nossa. Obrigada❣️

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *