Nosso Encontro com Selena Gomez na Sessão Privada de seu Documentário “My Mind & Me”

Essa história contém spoilers do documentário “My Mind & Me”.

“Obrigada por terem vindo. Esse projeto é o mais pessoal de tudo que já fiz até hoje. Eu abri meu coração e expus a minha alma. Eu não tenho coragem de ver de novo (o documentário) porque pra mim seria muito intenso reviver alguns momentos, mas espero que vocês gostem. E o mais importante é que esse documentário não existiria sem o Alek (Keshishian), meu amigo e diretor. Agora é sua vez de falar, disse Selena Gomez, se dirigindo a Alek, que estava ao seu lado, na apresentação de seu doc “My Mind & Me”, na sessão privada para a imprensa, que tive o prazer de ir em LA, há algumas semanas.

O diretor seguiu a orientação da diva e também agradeceu a nossa presença, compartilhando um pouco do que foi a sua experiência nesse trabalho e sua relação com Selena Gomez

“Selena me procurou em 2016 com a ideia de fazermos um documentário sobre a sua turnê na época. Eu tinha jurado pra mim mesmo que nunca mais faria um doc sobre uma turnê (Alek Keshishian dirigiu o documentário premiado “Truth or Dare”, “Na Cama com Madonna”, de 1991 que, por sinal, eu amo tanto que tenho em DVD, que comprei por uma fortuna na época. Foi um marco na carreira da Madonna, do diretor e da minha geração, sem contar que foi um presentão pro fandom do ícone nos anos 90), eu tendia a recusar, mas quem resiste a um pedido de Selena? Impossível. Acabei embarcando nessa jornada, que foi super especial pra mim também. A única coisa que avisei a ela desde o início é que eu filmo tudo, absolutamente tudo, gosto de ter muito material pra decidir o que fazer com o que tenho depois. A Selena topou e comecei a acompanhá-la.

Há 6 anos, a gente já tinha material mas, tanto eu, quanto a Selena, achamos que não era o momento de fazer nada com ele, apenas continuamos rodando. Aí, os anos foram passando, até que veio a pandemia. Depois de muito papo com a Selena, muitas e muitas horas de material e uma grande amizade construída nesse trabalho, começamos a editar. Eu tinha editores espalhados por todos os lugares (inclusive no Brasil), foi uma loucura, mas ficamos satisfeitos com o resultado do que vocês vão assistir hoje.”

“Os editores realmente são gênios”, reafirmou Selena.

“Eles são ótimos, mas eu quero dizer pra vocês que a Selena é a melhor pessoa que eu já conheci, sério, honestamente, depois de todo esse tempo acompanhando ela tão de perto, eu falo isso de coração”, continuou Alek.

Muitos aplausos invadem o cinema do Neue House, enquanto Selena e Alek tímidos e sorridentes saem da sala.

O documentário começa e durante 1 hora e 35 minutos, a gente de fato enxerga a alma de uma das jovens mais talentosas e bem-sucedidas do entretenimento mundial.

Selena se expõe e mostra, sem medo, a mulher vulnerável, sensível e humana que existe dentro da cantora, compositora, atriz, empresária e produtora. Ela compartilha suas imperfeições, seus medos, suas inseguranças, assim como seus problemas de saúde física e mental, seus tratamentos, sua turnê, sua viagem ao Kenya. Visita a família, a escola onde estudou e pessoas que marcaram a sua infância em sua cidade natal no Texas. Interage com os fãs, com as amigas e com sua equipe sem papas na língua. Grava o clip de “Lose You  to Love Me”, um marco de sua carreira. Fala dos projetos que quer realizar, se questiona. Se sente poderosa e um produto, por conta da sabatina de entrevistas com uma imprensa que não a enxerga, só suga sua energia.

Sem pronunciar a nome do ex-namorado famoso e sem falar dos dramas de seu relacionamento, Selena delega aos paparazzi a função de recontar essa parte de sua jornada. Uma excelente escolha dela e do diretor, afinal, Selena viveu esse relacionamento sob os holofotes da mídia durante anos, nada mais justo que o mesmo fosse mencionado dessa maneira. As cenas que aparecem ao longo do documentário seguem a linha do tempo dos acontecimentos da vida real. Se os berros dos paparazzi na telona me incomodaram, fiquei imaginando o pesadelo que foi pra ela viver aquela invasão de privacidade sendo perseguida por onde passava, por pessoas que gritavam perguntas sobre o término de sua relação, sobre o noivado do ex com outra pessoa e tantas outras questões pessoais.

Quando Alek disse que filmaria tudo, ele não estava brincando. As cenas que mostram Selena no palco e os bastidores da sua turnê, desconstroem o mito intocável, o que pra mim é o que faz dela uma diva de verdade.

Eu me emocionei muitas, mas muitas vezes mesmo durante o doc. Um dos momentos mais profundos e autênticos pra mim foi quando Selena, num pranto sincero, menciona sua bipolaridade e fala de uma briga que teve com sua mãe e seu padrasto e menciona como os insultou e os magoou, afirmando que não sabe como eles a perdoaram.

Outro momento de cortar o coração é quando ela recebe um telefonema sobre o resultado de seus exames de saúde, portadora de lúpus, uma doença autoimune, Selena vai ter que encarar um tratamento difícil e ela compartilha algumas cenas no doc. Basicamente eu precisava de um lençol, chorei de verdade, mas tive que me virar com um lencinho, só Deus sabe como consegui.

Agora, num tom mais leve, foi lindo ver Selena Gomez visitando o Kenya. Entre papos cabeça e música, fica nítido que ela saiu daquela experiência inovada e que aprendeu mais do que ensinou. A convivência com aqueles jovens na África a inspirou a começar um movimento maior que ela podia imaginar.

Preciso dizer que os trechos que mais me tocaram foram os relacionados a sua infância. Tantos os vídeos familiares do passado, quanto os reencontros no Texas. Um com uma vizinha que tem uma casa de boneca gigante que Selena adorava brincar quando era pequena e outro momento em que revê uma ex-colega de escola, hoje mãe, que teve um destino completamente diferente da popstar. No diálogo de Selena com essas mulheres, a gente sente o impacto daquela realidade em sua vida.

Outro momento especial foi a visita surpresa que Selena fez à escola onde estudou. O entusiasmo da galera quando a viu e a dica inspiradora que Selena deu em uma das salas de aula também me emocionaram.

Selena aparece sem censura, muitas vezes na sua casa, sem produção ou maquiagem. Ao mesmo tempo que também aparece vestida de diva do pop, embora espiritualmente seja apenas uma mulher jovem, na batalha, tentando se preparar para uma coisa que ela mesma admitiu detestar fazer, passar o dia dando entrevistas superficiais.

Amei ver que Selena não poupou a jornalista que lhe tratou como um produto, a comparando com a forma como se sentia na Disney. Eu já respeitava Selena Gomez antes, mas depois que ela falou a verdade sobre a empresa que explora talentos infantis, nesse doc da concorrente Apple, eu assino embaixo de um contrato que ela escrever, sem ler.

Mas, o que me chamou atenção, foi que o documentário nos deu a chance de acompanhar o amadurecimento de Selena e a história termina com o lançamento de uma música nova e linda, e uma mulher empoderada. Uma mostra que a trajetória da diva não foi fácil, mas foi fascinante e ela está pronta para viver a década dos 30 sorrindo.

O fandom de Selena certamente já viu muitas cenas que estão no doc, de entrevistas, paparazi, dos shows. Imagino que também saibam de muitas das suas histórias da vida real. Podem não se surpreender, mas sem dúvidas vão se emocionar. Isso sem contar que o fandom vai surtar, com a música inédita, que tem o mesmo nome do documentário, é belíssima e encerra essa jornada com chave de ouro.

Já quem não sabe nada ou conhece pouco sobre Selena Gomez, vale a pena assistir a trajetória dessa mulher que é cantora, atriz, produtora, empresária, fenômeno nas redes sociais e nas paradas de sucesso. Nasceu de pais adolescentes, sem recursos, cresceu no entretenimento, viveu um dos romances mais badalados da história do show business moderno. Convive com a sua bipolaridade e lúpus. Trabalha muito e, pra mim, é a artista de sua geração que mais investe e aproveita seu sucesso e suas plataformas investindo em projetos que focam em cuidar da saúde mental dos jovens nos EUA e pelo mundo afora.

Basicamente quem já é fã de Selena Gomez vai se apaixonar ainda mais e, pra quem não a conhece, será amor à primeira vista.

A jornada da heroína Selena Gomez não daria um filme, ela já é melhor que muitos filmes que assistimos por aí e “My Mind & Me” está aí pra provar isso. Imperdível!

O documentário estreia dia 4 de novembro na AppleTV Plus.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *