“The Handmaid’s Tale”: livro x seriado

Por: Raquel Zambon

“Harry Potter”, “13 Razões”, “Jogos Vorazes”… Já reparou como muitas superproduções de sucesso são baseadas em livros?

Criar um roteiro usando um mundo literário como base pode parecer fácil, mas é um processo bem desafiador. Os comportamentos e opiniões daqueles personagens já foram criados e explorados em detalhes, deixando para o roteirista a complicada missão de traduzi-los para a tela. Quando este processo é bem-sucedido, nos deparamos com histórias impecáveis, que ficam nas nossas mentes por um bom tempo!

Conheço muitas pessoas que se encantam com filmes e séries baseadas em livros, mas que nunca se interessam por ler as páginas nas quais seus personagens favoritos nasceram. Por esta razão, criamos uma nova coluna mensal no HEA, que fará comparativos entre produções de sucesso e seus livros de origem. O objetivo é incentivar as pessoas a adquirirem o hábito da leitura enquanto descobrem mais sobre suas histórias de televisão e cinema preferidas.

Nossa primeira coluna é baseada em um dos grandes sucessos da TV neste ano: “The Handmaid’s Tale”.

O SERIADO

Produzido pelo Hulu, “The Handmaid’s Tale” está fazendo muito sucesso ao redor do mundo.

A série se passa em um mundo distópico, no qual as taxas de fertilidade caíram absurdamente. O território dos EUA foi transformado em uma teonomia cristã, conhecida como República de Gilead. Nesta república, as mulheres não têm direito de trabalhar, possuir propriedades, manter dinheiro ou até mesmo ler. Se não forem esposas de representantes do governo, empregadas domésticas ou aias (mulheres férteis que são disponibilizadas para que os mais ricos possam ter filhos), as mulheres são enviadas para o trabalho em Colônias e, consequentemente, para sua morte.

“The Handmaid’s Tale” é focada na história de Offred (Elisabeth Moss), aia do Comandante Fred Waterford. Moss está incrível no papel e suas cenas atuais casam perfeitamente com os flashbacks de sua vida anterior. As situações vividas por Offred são tão absurdas que, em muitos casos, temos de nos lembrar que são produtos somente da ficção. Ao mesmo tempo, o governo de Donald Trump nos EUA e sua intolerância ao público feminino transforma o tema da série em algo extremamente atual e nos faz pensar que uma realidade como a de Gilead não é tão impossível assim.

A versão produzida pelo Hulu tem muito mais ação que o livro. Acontecimentos constantes dão o ritmo da série e mantém o telespectador tenso, sempre esperando pelo próximo acontecimento na vida de Offred.

A participação de Alexis Bledel como a aia Ofglen é um dos destaques da primeira temporada – é surpreendente ver a atriz que se consagrou como Rory Gilmore em um papel tão incomum! Todos os personagens da série são convincentes: não há como não se dividir entre compaixão e raiva por Serena Joy Waterford (Yvonne Strahovski) ou não desconfiar o tempo todo do comportamento de Nick (Max Minghella).

“The Handmaid’s Tale” é, definitivamente, uma das melhores produções da TV em 2017. A segunda temporada da série, com estreia prevista para 2018, ultrapassa o final do livro. Só nos resta aguardar para acompanhar os próximos acontecimentos da vida de Offred.

TRAILER ORIGINAL:

O LIVRO

Por incrível que pareça, Margaret Atwood escreveu “The Handmaid’s” Tale em 1985! A história se mantém questionadora e atual, fazendo os leitores pensarem sobre a proximidade que a realidade de Gilead tem de nossas vidas.

Ler “The Handmaid’s Tale” é uma experiência totalmente diferente de assistir à série e essencial para quem virou grande fã do show. O livro proporciona uma visão muito mais profunda de Offred, por meio da qual conhecemos medos e opiniões que a série nem chega a abordar.

No livro, Offred não é tão esperançosa e corajosa quanto na série. Pouco a pouco, ela percebe que alguns aspectos da cultura de Gilead estão se enraizando em seus comportamentos. Offred sabe de sua importância como aia e não rejeita a ideia de ter um filho, como acontece na versão da TV. Ela se recusa a aceitar sua nova vida e seu quarto na casa do Comandante, mas, quando percebe, já chama o quarto de “meu quarto”. Para ela, a distância que as regras de Gilead têm de sua vida anterior diminui a cada dia.

Diversos acontecimentos da série não existem no livro, que tem um ritmo mais calmo. Entretanto, essa é a leitura perfeita para quem gosta de entrar na mente dos personagens: quando terminar, você passará a ver Offred de outra maneira. E a amar ainda mais “The Handmaid’s Tale”.

Em tempo: algumas livrarias estão com o livro em falta no Brasil. Vale procurar em sebos ou mesmo importar dos EUA. Boa leitura!

https://www.rocco.com.br/livro/?cod=234

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *