Thirty seconds to dreams…

Por: Camila Camparo e Annelyse Bosa

mars

No começo de outubro, nosso país tropical recebeu o Thirty Seconds to Mars, banda formada por Jared Leto, Shannon Leto e Tomo Miličević. Com quatro shows no país, a banda fez todos pularem e viverem os melhores dias de suas vidas. Transportamos-nos para um universo paralelo onde só havia música e durante a maior parte dos shows, o Echelon (como nós fãs, somos chamados) cantou a plenos pulmões muitas vezes ainda mais alto que a própria banda.

mars2

O show em São Paulo aconteceu no Espaço das Américas e, mesmo faltando uma semana, já tinha gente se revezando na fila desde o dia 10 de outubro. Mais próximo ao evento, começou a reunir-se um grupo maior e com o número crescente de pessoas, também crescia o sentimento de irmandade que é um dos pontos mais emocionantes no “SER” Echelon. Frio, calor, fome e sede… todos os desafios das horas a fio enfrentadas no tempo quente e quase asfixiante de São Paulo, valeram a pena. Ainda antes de começar o Soundcheck e o próprio show, Tomo Milicevic, guitarrista da Thirty, deu uma passada relâmpago na fila, presenteando o pessoal com sua simpatia e seu riso inconfundível.

O show em São Paulo foi um aperto, ganhou até do Rock in Rio 2013 nesse quesito, onde a Thirty Seconds to Mars também se apresentou, mas também foi um show magnífico desde sua abertura com Carmina até o encerramento com Closer to The Edge, uma das músicas mais emocionantes da Thirty. Às 20h40, Jared Leto entra ao palco vestido como rei! Uma coroa dourada, roupa branca e um terço com uma triad no lugar da cruz em seu pescoço! Jesus, assim como passou a ser conhecido, entra ao palco e com maestria faz a multidão pular loucamente ao som de “Up In The Air”, primeiro single do álbum “Love Lust Faith + Dreams”! Multidão essa que mal conseguia respirar de tão lotado e apertado que se encontravam, mas mesmo assim nada impediu de curtir a noite inteira!

Mars (10)

Ao perceber o extremo calor que fazia, Jared pergunta se o ar condicionado está quebrado e pede para ligarem. A preocupação com o show e o Echelon não parou por aí, Jared também fez questão de pedir para que distribuíssem água para os fãs que estavam precisando.

No dia seguinte, a banda estava no Rio de Janeiro pronta para o primeiro dos dois shows na cidade. Com direito a passeios de bicicleta, caminhada pela praia e muito açaí, Jared, Shannon e Tomo aproveitaram cada segundo na Cidade Maravilhosa! O passeio que rendeu até a uma passada pelo Morro Dona Marta, favela famosa por ter recebido Michael Jackson, que gravou o clipe They Don’t Care About Us. A banda também recebeu os fãs que dormiam em frente ao hotel a espera deles, proporcionando momentos tão inesquecíveis quanto os vividos na Fundição Progresso, nas duas noites de shows da banda no Rio.

O Rio é conhecido como a Cidade Maravilhosa e não é à toa, nossa equipe sentiu o mesmo encantamento e viveu momentos incríveis que ficaram para sempre guardados em nossos corações assim como nos da banda. Escolhemos a Cidade Maravilhosa para marcar nosso encontro com nossos ídolos, através do pacote de Meet e Greet, vendido pelo Adventures in Wonderland (que nos atendeu com todo o carinho e atenção do mundo, sempre procurando nos proporcionar a melhor experiência possível) que dava direito a perguntas e respostas com a banda, pôster autografado e foto com os integrantes. Éramos marinheiros de primeira viagem nessa experiência toda e antes de comprar esse pacote, nos questionamos muito sobre isso valer a pena ou não, afinal, não é algo barato. Mas quanto vale a realização de um sonho?

MArs no Rio (2)

Falando sério, de fã para fã porque quem não tem um ídolo (só pensar em alguém que não tenha um já é uma ideia estranha para mim) não nos entenderia agora: não é algo barato e isso é fato. Quem compra, por experiência própria, na maioria das vezes não é por ter montanhas de dinheiro na garagem, mas por ter se planejado para conseguir bancar ou até se endividou com os pais para isso. Se você tem esse sonho e tem condições, se programe e conselho de amiga: vale a pena sim! Não vá com grandes expectativas, deixe-se se surpreender, você vai estar frente a frente com as pessoas que agitam seus batimentos, alegram seus dias e te orgulham de se dizer fã até encher a paciência de todos ao seu redor.

mars3

Então dia 21 de outubro aconteceu o último show da Thirty Seconds to Mars no Brasil, por hora (importante frisar isso!) e o show por pouco não aconteceu. Após um dia com um calor escaldante onde o pessoal da fila começou a correr na grama quando ligavam os sprinklers a fim de se molhar… Pouco antes do início do show começou um temporal como há muito tempo não se via em Brasília, chegando ao ponto de cair algumas placas e entrar a água da chuva na casa de shows, molhando parte do equipamento de som e também arriscando cair mais placas sobre o palco a qualquer momento. A tensão no rosto da equipe da banda era visível e completamente justificada, chegando ao ponto de se ter ataque de riso diante da situação de tão absurda que parecia tudo aquilo.

Em respeito ao público presente, depois de 1 hora e 10 minutos de atraso, a banda subiu ao palco e mesmo com um setlist relativamente mais curto, como não poderia ser diferente, nos proporcionaram uma das melhores noites de nossas vidas. Um dos momentos mais emocionantes ficou por conta do público que ocupava a maior parte da casa de shows, em City of Angels surgiram diversas plaquinhas escritas “You Are Home”, Jared virou para trás e, com brilho nos olhos e um sorriso enorme, pediu para que o fotógrafo da banda filmasse esse momento. Poucas músicas depois, começou a música final da setlist, Closer to The Edge. Jared chamou várias pessoas para o palco e então concluiu o espetáculo com a mesma energia do começo que contagiou todos os presentes. Não parecia que tínhamos ficado horas a fio esperando em pé, não lembrávamos mais nem da chuva que não dava trégua do lado de fora da casa, só existia aquele momento, só o Echelon e a Thirty Seconds to Mars e éramos como um só.

 

 

É incrível como não importa o que o Echelon passou para chegar até o show, os meses de espera após o adiamento dos shows, as contas, tensão na compra dos ingressos ou mesmo a ansiedade para lá de natural, um segundo em frente aos caras que você mais admira na vida, faz tudo até aqui valer a pena, te faz se sentir único (a), ao mesmo tempo que se sente em família, e incrivelmente especial.

A tour foi um sucesso e provou que Hollywood está nos corações de todos aqueles que procuram viver seus sonhos. A Thirty Seconds to Mars mal disse até breve e já não vemos a hora desse “SOON” (breve, palavra mais temida do vocabulário Echelon) chegue. Obrigada a todos que dividiram esses momentos inesquecíveis conosco, e fiquem ligados que muito mais está por vir.

mars4

bio_Mih_Camparo

bio_Annelyse_Bosa

Um comentário sobre “Thirty seconds to dreams…

  1. Eu não fui aos shows,infelizmente, mas pude acompanhar pelos olhos de vocês. Obrigada por trazerem a cada dia, novas informações, fotos, notícias…fazendo o trabalho de um verdadeiro Echelon, em divulgar, amar, confraternizar, e realizar junto à todos, essa emoção de ser parte da Família 30 Seconds To Mars!Obrigada!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *