De Godzila a WandaVision: A irmã Olsen que trilhou seu caminho longe de estereótipos

Por: Luana Mattos

Elizabeth Olsen poderia passar tranquilamente como a trigêmea perdida de Mary Kate e Ashley Olsen mas, ao invés de se apoiar no sucesso e na fama das gêmeas mais queridinhas da América na década de 90, Elizabeth que é dois anos e oito meses mais nova que as irmãs, decidiu trilhar seu próprio caminho, no qual ela até mesmo considerou não usar o sobrenome ‘Olsen’, embora o seu rosto fosse entregar o jogo de qualquer maneira.

Diferente das irmãs, que desbravaram a indústria do entretenimento desde o berço, Elizabeth percorreu um longo caminho para chegar aonde está hoje. Após ter sido rejeitada para o filme, ‘Pequenos Espiões’ aos 10 anos de idade e ao ver suas irmãs sofrerem com a pressão da mídia e dos paparazzis, a irmã caçula da família Olsen deixou a atuação de lado e se dedicou inteiramente aos estudos.

Enquanto crescia, Lizzie – como é conhecida pela família e amigos, considerou trabalhar em Wall Street, ou até mesmo como corretora de imóveis, de fato, esse foi seu trabalho temporário enquanto morava sozinha em New York, “pensei que eu acabaria em Wall Street. Não sabia o que eu queria, eu apenas era boa em matemática. E sou boa em ciências, então pensei que talvez devesse fazer algo assim”, mas o que parecia ser um chamado a trouxe de volta aos palcos, desta vez com mais maturidade e convicção do que queria para seu futuro.

Entre os anos de 2011 e 2012, Elizabeth Olsen fez sua estreia nas telonas e marcou presença no cinema independente atuando nos filmes, ‘Paz, Amor e Muito Mais’ (2011), no qual desempenhou o papel de Zoe, em ‘Martha Marcy May Marlene’ e no suspense ‘Casa Silenciosa’.

Elizabeth Olsen no papel de Zoe Hudson no filme, ‘Paz, Amor e Muito Mais’ (2011)

Os papéis da atriz estão longe do estereótipo da garota americana perfeita, pelo contrário, suas personagens são complexas e problemáticas, mas isso não assusta Olsen, pelo contrário, a atriz diz amar ser uma defensora para suas personagens, mostrando que ninguém é inteiramente ruim ou inteiramente bom. “Adoro interpretar personagens cujas ações as pessoas discordam”, diz Olsen. “Em um mundo onde realmente não nos importamos em entender outros pontos de vista, sinto que se nós, como público, pudermos ter empatia por pessoas com as quais não concordamos, isso é uma coisa boa. Então eu posso ser a advogada deles e defendê-las”.

E quanto ao estereótipo ela declara, “sei que sou uma americana loira e branca e sei como isso parece para outras pessoas. Acho muito importante não se enganar. Você pode ser quem você é e ainda ser capaz de se relacionar com diferentes tipos de pessoas no mundo”.

Suas performances lhe garantiram um papel no blockbuster ‘Godzila’ e mais tarde um convite para o MCU – Universo Cinematográfico da Marvel, onde ela então se tornou o mais novo rosto da Feiticeira Escarlate, tendo sua primeira aparição no longa ‘Vingadores: Era de Ultron’, seguido pelos trabalhos em ‘Capitão América: Guerra Civil’, ‘Vingadores: Guerra Infinita’ e ‘Vingadores: Ultimato’ e, para surpresa da atriz, a sua versão da personagem Wanda Maximoff – que caiu no gosto do público, ganhou uma série exclusiva, que marcou não somente o início da fase 4 do MCU, mas também da parceria entre os estúdios Marvel e o Disney+.

‘WandaVision’ foi um sucesso absoluto e pela primeira vez na história, uma produção da Marvel marcava presença no Emmy com 23 indicações, sendo a vencedora em três delas. A série surpreendeu com sua narrativa do início ao fim, começando no estilo sitcom dos anos 50 e evoluindo para o estilo Modern Family no final. Foram 9 episódios repletos de detalhes e Easter Eggs que deixaram um gostinho de quero mais não somente nos fãs, mas também na sua intérprete que sabia que a história de Wanda estava longe de terminar.

A atriz em WandaVision

E no mais recente sucesso de bilheterias da Marvel, ‘Doutor Estranho no Multiverso da Loucura’, podemos ver a história de Wanda Maximoff alcançar seu ápice, mas não seu fim. Quando questionada pela colega de profissão, Kaley Cuoco, sobre uma possível segunda temporada de ‘WandaVision’, Elizabeth respondeu sem pensar muito, “não! Quer dizer, com a Marvel você nunca sabe”.

E para aqueles que já estão com saudades da atriz, fiquem tranquilos, Elizabeth está longe de se aposentar, e com a minissérie ‘Love and Death’ em pós produção, podemos esperar vê-la na telinha protagonizando este drama policial em breve.

Curiosidades sobre a atriz

Além de ser uma ótima intérprete nas telinhas e nas telonas, Lizzie também dá um show na cozinha, a atriz já declarou seu amor pela culinária em suas aparições em diversos programas de talk show; e durante a pandemia ela e seu marido, o músico Robbie Arnett, escreveram um livro infantil chamado “Hattie Harmony: Worry Detective” (Hattie Harmony: Detetive de Preocupações, em tradução literal), a obra, que será publicado em junho, é o primeiro de uma série de livros da mesma personagem.

Elizabeth Olsen no programa ‘Back-to-back Chef’

 

Livro infantil que escreveu em parceria com o esposo, Robbie Arnett

 

“Meu nome é Luana Mattos, sou gaúcha, cristã, apaixonada por jornalismo e idiomas. Descobri nas palavras meu refúgio e, além disso, descobri que elas podem mudar o mundo!”
@luanatmattos

Um comentário sobre “De Godzila a WandaVision: A irmã Olsen que trilhou seu caminho longe de estereótipos

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *