Em tempos de isolamento e temor, amizade se transforma em poesia

Meu amigo Victor Magavi acredita que devemos amar uns aos outros todos os dias, sem depender de feriados e datas comemorativas. Eu tenho o privilégio de ocupar um pedacinho do coração deste professor da matéria amor. Katniss Everdeen nos uniu quando ela participou dos Jogos Vorazes. Nossa conexão foi especial desde nosso primeiro encontro e permanecemos brincando juntos no nosso parque de diversões favorito, o Hollywood é Aqui.

Brilhante poeta, que não precisa de motivo para presentear os amigos, hoje emocionou a minha alma ao usar seu talento com as palavras transformando em poesia a minha trajetória.

Eu vou me exibir e compartilhar aqui a obra de arte que me abraçou nesse isolamento social, alegrando meu dia da quarentena e provando que a verdadeira união e o sucesso de uma amizade não está nas pessoas necessariamente, mas na energia que está entre nós, e permanece intacta mesmo à distância.

Meu coração emocionado, está se sentindo uma estrela e Victor confessou que se sente uma estrela comigo também, já que seu objetivo é fazer dos amigos uma constelação, onde todo mundo brilha igual. ✨✨✨

“O farol que sinaliza àqueles no oceano
que ali há terra firme e também encanto
Iluminou, no alto do seu forte, a chegada de um bebê

Bahia, terra de Jorge Amado
e da amada menina sonhadora coração de ouro
que cresceu na cidade Rosa de Noel
e logo descobriu que o mundo era o seu tesouro

Herdou da zona norte carioca a força para escalar
mas sabe que para chegar ao topo
é necessário reconhecer qual é o seu lar
De lá, na superfície, no chão, d’onde os pés não podem sair
algumas escapadas para voar
mas sempre sabendo para onde voltar

A vida se faz assim mais bela
onde pisas, vira tapete
onde tocas, vira escultura
onde olhas, vira paisagem
E nesta estrofe não tento rimar
porque ela sabe bem que os desencontros
tornam-se grandes encontros
alguns deles, para a vida toda

Hollywood é mais um triunfo
mas não o único
na vida da Ciuffo” – Poema “Minha amiga Claudia” de Victor Magavi para Claudia Ciuffo

 

Victor Magavi:
“Sou a última geração dos anos 90 e a primeira que ainda estava aprendendo a andar no início do novo milênio (o que não mudou, só que agora é no sentido figurado). Ator por amor desde a infância e, hoje, exploro organicamente a cultura brasileira e estudo publicidade. De forma independente, também publico meus monólogos na internet e outras obras. Amo cinema, teatro, música, literatura, escrita, comunicação social, web design, viagem e várias outras coisas como um tradicional geminiano. Acredito na união do coletivo.”

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *