“Hebe – A Estrela do Brasil”: com cenário na década de 80, filme se mostra mais atual do que nunca

Por: Luana Nunes

A Warner Bros. Pictures Brasil nos convidou para a cabine e coletiva de imprensa do filme nacional “Hebe – A Estrela do Brasil”, que já vem sendo aclamado e aguardado há meses.

O filme tem como intérprete a apresentadora e atriz Andréa Beltrão, conhecida por seus papéis nas comédias brasileiras, e se passa nos anos 80, mostrando Hebe Camargo já com uma longa carreira na televisão.

As cenas, o cenário, as roupas, as joias, os carros e a ligação de Hebe com seu filho, seu sobrinho e seu então marido na época, são tão reais que em certos momentos é possível confundir a ficção com a realidade, como uma volta no tempo, mesmo por parte de quem nunca viveu naquela época.

Uma produção inovadora e surpreendente, que mostra fatos jamais vistos antes sobre a vida da estrela do Brasil. A luta pela liberdade de imprensa e contra a censura, o contato próximo do vício, a violência doméstica, sexismo, homofobia e muitas outras coisas dentro de um pouco mais de duas horas de filme, é de tirar o fôlego.

Também estivemos presentes na coletiva de imprensa que aconteceu com a presença da atriz Andréa Beltrão, o sobrinho e ex-empresário de Hebe, Claudio Pessutti, além dos roteiristas e produtores do filme, que falaram um pouco mais sobre os desafios de produzir algo tão grande e importante.

Andréa conta que foi uma surpresa o convite para interpretar uma pessoa tão simbólica, “Quando recebi o convite fiquei me perguntando como faria, mas eu não podia negar. Mas o mesmo tempo haviam tantas outras atrizes mais parecidas com ela [Hebe] do que eu”, relembra a atriz.

Já para a roteirista Carolina Kotscho, tinha que ser a Andréa. “Eu só tinha ela na cabeça para esse papel, eu só consegui começar o roteiro depois do sim dela”, afirma.

O sobrinho de Hebe, Claudio Pessutti, também fez questão de tecer elogios à interpretação da atriz, falando que não conseguia ver outra pessoa exercendo aquele papel além de Andréa, e que com certeza a tia estaria feliz.

Todos que assistirem o filme irão reconhecer muitos objetos durante as cenas, desde as joias, vestidos e até os carros pelos quais Hebe era apaixonada.

Mas, além destes detalhes, o público verá uma mulher forte, determinada, destemida, sensível, revolucionária e polêmica. Um longa que retrata realidades de quase 40 anos atrás que se mostram mais atuais do que nunca. É realmente imperdível!

 


 

Com direção de Maurício Farias, o filme estreia hoje, 26 de setembro, em todos os cinemas brasileiros.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *