“Mass”: Filme fala com delicadeza sobre perdão e culpa em famílias afetadas pela violência

O que você falaria para os pais do assassino do seu filho? E o que você falaria para os pais do garoto que seu filho assassinou?

Em Mass (“Missa”), Jay (Jason Isaacs) e Gail Perry (Martha Plimpton) ainda estão de luto pela morte de seu filho, vítima de um tiroteio na escola. Richard (Reed Birney) e Linda (Ann Dowd,) são os pais do agressor. Seis anos após a tragédia, os dois casais concordam em se encontrar para conversar.

“Mass” é um daqueles filmes que mudam a nossa forma de perceber a vida. Estrelado por um elenco de primeira, Reed Birney, Ann Dowd, Jason Isaacs, e Martha Plimpton, é o primeiro filme escrito, produzido e dirigido pelo ator Fran Kranz.

“Mass”, inicialmente, seria uma peça de teatro como contou Fran, no bate-papo após a sessão do filme que assistimos em Los Angeles, “quando eu soube da existência desses encontros entre as famílias de agressores e suas vitimas, me veio a ideia de escrever sobre o tema. Mandei o primeiro roteiro de uma peça de teatro para o Reed e ele me disse, está ótimo, mas é um filme. Daí, eu adaptei o roteiro para o cinema e comecei o processo de produção”.

 

Reed Birney complementa dizendo que ficou impressionado com o roteiro por ser o primeiro escrito por Fran, “é de uma sensibilidade gigantesca, esse roteiro é o tipo de presente que um ator quer ganhar, não acontece todo dia e quando a gente se depara com um material tão especial, mergulhamos de cabeça”.

Ann Dowd, intérprete da maravilhosa Tia Lydia em “The Handmaid’s Tale”, dá um show neste filme também. Ela, que é super divertida na vida real, também não poupou elogios para Fran, “além de excelente roteirista, ele é um diretor excepcional, muito preparado, não parecia que era a primeira vez que ele estava à frente de um set de filmagens. Foi de fato um presente interpretar a Linda e trabalhar com o Fran, o Reed, que é meu companheiro de cena no teatro há anos, e com o Isaac e a Martha”.

No clima descontraído da conversa dos atores, diferente do clima dos personagens no filme, Jason Isaacs, e Martha Plimpton falaram da importância da química do elenco neste projeto. “É um filme de atores, não tem efeito especial, passamos praticamente o tempo todo sentados numa mesa, a interação entre os nossos personagens é intensa e profunda, a química rolou, caso contrário não teria filme”, diz Jason sorrindo.

 

E todos concordam. “A gente passou todo o tempo junto, depois de gravar o dia inteiro, um ia pro quarto do outro no hotel, para tomar vinho e falar sobre a vida. A nossa conexão contribuiu para construir a trajetória dos nossos personagens”, disse Martha.

 

Fran fez questão de ressaltar que se sentiu honrado por trabalhar com esse elenco estrelar, “eu mal podia acreditar quando soube que eles tinham topado fazer o filme”.

O editor Yang Hua Hu, também presente no Q&A, disse que eles rodaram em tempo recorde e afirmou que não foi um trabalho difícil, “muito pelo contrário, foi prazeroso. O talento desses atores e a direção bem desenhada de Fran facilitou o meu trabalho, os takes eram perfeitos, a única coisa que tive que fazer foi trabalhar o ritmo do filme que como tem muito diálogo – quatro pessoas trancadas numa sala falando o tempo todo – poderia ficar chato, mas acho que o resultado agradou”.

O filme foi aclamadíssimo pela crítica e pelo público. Ao meu redor todos choraram no cinema, afinal é um filme que fala de perdão e, independente da tragédia que estava por trás daquela estória na telona, todos nós lidamos com a dobradinha “culpa” e “perdão” diariamente em nossa vida cotidiana. Por isso acredito que nos emocionamos tanto, questionamos, sentimos a dor de ambas as famílias, sentimos o alívio também. O final é de uma maestria, uma poesia, que enche o coração de paz. Não é um filme fácil de assistir, mas é um filme necessário.

“Mass” foi reconhecido pelo Film Independent, organização que promove o cinema independente e o Spirit Awards em Hollywood. O diretor, produtores e os atores merecidamente vão receber o prêmio Robert Altman, concedido ao elenco considerado extraordinário dessa temporada de premiações. O trabalho de Reed, Ann, Jason e Martha e digno de muitos aplausos por trazer à tona temas tão presentes na nossa jornada. Simplesmente imperdível.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *