Oscar 2019: Documentários longa-metragem emocionam com jornadas brilhantes

O que eu mais admiro em um cineasta que dirige um documentário é a capacidade que ele tem de, praticamente, abandonar a sua própria vida, por anos, para se dedicar ao seu projeto ou, mais precisamente, passar a viver, indiretamente, a trajetória de seu personagem seja onde e como for. Mas seu objetivo é manter uma distância para não interferir na rotina de seus protagonistas, seu foco é captar com sua câmera as emoções, alegrias e desafios vividos por eles.

 

 

No evento promovido pela Academia, na semana que antecede ao Oscar, tive o prazer de ficar frente a frente com Elizabeth Chai Vasarhelyi, Jimmy Chin (III) os diretores de “Free Solo”, que passaram 2 anos acampados no Yosemite Park, na Califórnia, até Alex Honnold, o alpinista/protagonista de seu documentário, decidir fazer o seu free solo, que significa escalar a montanha sem equipamento, só com as mãos e pés. Neste meio tempo, a diretora engravidou, ao mesmo tempo que se dividia com Jimmy, seu marido e parceiro na direção para criar sua filha à distância. Mas segundo ela e o marido, que também é alpinista e fotógrafo da National Geographic, a indicação ao Oscar recompensa todos os sacrifícios feitos pela família.

Da mesma forma se sente Talal Derki, o diretor de “Sobre Pais e Filhos”, que voltou à Síria, sua terra natal, no meio da guerra, onde passou também 2 anos vivendo com uma família islâmica radical. O resultado é um dos melhores documentários que já assisti até hoje, que nos educa sobre o fanatismo religioso e nos coloca dentro da guerra que destruiu um país promissor. Toca o coração ouvirmos também como o próprio diretor se sentiu ao voltar para o seu país e vê-lo destruído, o seu aprendizado foi tão grande como o dos seus espectadores. Trabalho brilhante.

Obra-prima também é “Minding the Gap”, que assisti em outubro, numa sessão privada em LA. Diferente dos outros, este conta a história da jornada do próprio diretor, Bing Liu, e seus melhores amigos, que encontraram no skatismo uma forma de consolo para a dura realidade que viviam em família, dentre vários problemas, inclusive violência doméstica. Eu lembro que no final da sessão o diretor e alguns amigos estavam sentados ao meu lado, e eu aos prantos, os parabenizei, não só pelo documentário em si, mas por abrirem a sua vida de forma tão honesta, inspirando jovens que passam por problemas semelhantes a encontrar nas amizades, na arte e no esporte, uma forma saudável de se reinventar. Eles, muito gentis, me agradeceram, e disseram que me ver chorar era um prêmio para eles, pois significava que o trabalho deles tinham sido bem realizado. Dito e feito! Mais que merecida essa indicação.

Há alguns meses, também assisti “RBG” numa sessão privada e, desde aquele dia, pensei como o documentário sobre a jornada da juíza Ruth Bader Ginsburg, que com seu árduo trabalho na suprema corte nos EUA conseguiu aprovar inúmeras leis que beneficiam as mulheres no país, tinha chegado na hora certa. Afinal, em um mundo dominado por Trump e sua patota machista, nada mais importante do que celebrar a carreira dessa poderosa que quebrou vários paradigmas e serve como exemplo de gente que faz, lutando na prática pelas mulheres e minorias. Nota 10 para ela e para a história muito bem contada sobre sua vida.

E pra fechar com chave de ouro, RaMell Ross, o diretor sem papas na língua de “Hale County, This Morning, This Evening”, subiu ao palco para apresentar o clipe do seu documentário, e ressaltou que, apesar de se falar muito de inclusão hoje em dia, o mundo ainda está envenenado pelo preconceito racial, porque, na verdade, as pessoas falam muito, mas ninguém de fato se coloca na cor da pele negra, porque não tem a pele negra. Por isso, que para ele, um homem negro, foi tão importante fazer esse documentário, não só focado na discriminação, mas nos sonhos que não se realizam por conta da cor da sua pele. A fotografia é linda e o documentário uma grande poesia de uma realidade, muitas vezes não promissora. Imperdível também.

Saí do evento ainda mais fascinada pelo universo e pela paixão que os documentaristas tem por contar as histórias da vida real de pessoas tão interessantes que, em público ou anonimamente, transformaram a comunidade em que vivem, e hoje, graças aos documentários, suas brilhantes jornadas vão rodar o mundo.

Sinceramente, por mim, podia ter uma cerimônia do Oscar a cada 3 meses, com encontros com pessoas inspiradoras como esses diretores. Feliz de estar em LA, celebrando seus trabalhos!

Free Solo

Aos 30 anos de idade, Alex Honnold já era um dos mais renomados alpinistas de sua geração. Porém, independente de todas as suas conquistas, ele permaneceu obcecado com um desafio que nenhum outro alpinista havia conseguido realizar: escalar sem equipamento de segurança a rocha El Capitan, no Parque Nacional de Yosemite, na Califórnia. Os diretores E. Chai Vasarhelyi e Jimmy Chin acompanham Honnold por dois anos enquanto ele testa os limites de sua ambição. Fonte: http://www.adorocinema.com/filmes/filme-267118/
Direção: Elizabeth Chai Vasarhelyi, Jimmy Chin (III)

Trailer Original:

 

Minding the Gap
O filme narra as vidas e as amizades de três jovens de Rockford, Illinois, unidos pelo amor ao skate, esporte que eles usam para escapar dos seus problemas familiares.
Direção: Bing Liu

Trailer original:

 

Sobre Pais e Filhos: Após conseguir a confiança de uma família radical islâmica, o documentarista mostra o dia a dia de suas vidas ao longo de dois anos. O foco é em Osama e seu irmão mais novo, Ayman, mostrando o que significa crescer em meio a um califado islâmico. Fonte: http://www.adorocinema.com/filmes/filme-261505/
Direção: Talal Derki

Trailer original:

 

RBG: Um retrato íntimo da improvável estrela de rock, Ruth Bader Ginsburg, associada da justiça da suprema corte dos EUA. Com acesso sem precedentes, são exploradas suas primeiras batalhas jurídicas e como elas mudaram o mundo para as mulheres.Fonte: http://www.adorocinema.com/filmes/filme-262109/
Direção: Betsy West, Julie Cohen (II)

Trailer Original:

 

Hale County This Morning, This Evening: O filme aborda a vida de negros de Hale County, no conservador e racista estado do Alabama. Fonte: http://www.adorocinema.com/filmes/filme-261127/
Direção: RaMell Ross

Trailer original:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *