Viva as Mulheres! Um dia para honrar a força feminina em todas as esferas!

“Cláudia, olha ali a lanchonete do Luke!”, lembro como se fosse hoje da alegria da mamãe quando visitamos pela primeira vez “Stars Hollow”, a cidade das “Gilmore Girls”, no estúdio da Warner Bros, em Los Angeles. O ano era 2007 e a série tinha recém sido cancelada, mas o cenário continuava lá.

Eu e mamãe éramos fãs de carteirinha e estávamos arrasadas com o seu fim prematuro, mas encantadas em conhecer a cidade cenográfica que tinha sido palco de cenas icônicas.

Mamãe adorava seriados, realities e novelas. Era viciada em TV e gostava de dizer para os críticos de plantão, “se eu adoro ver televisão, meus filhos também podem gostar. São ótimos alunos, se desenvolveram super bem. Esse papo de não deixar criança ver televisão não é pra mim. Eles amam também e cada um tem a sua TV, no seu quarto”.

Mamãe tinha personalidade forte, em relação ao entretenimento e à vida. Não ligava para o povo que dizia que ela perdia tempo assistindo novelas e os realities da TV a cabo que acompanham a trajetória de famílias de anãos, homens que tem mais de uma esposa ou o clássico “90 dias pra Casar”, que mostra a saga das mulheres que ficam noivas de gringos. “Gosto de todos e, ao contrário que muitos dizem, esses programas são educativos sim. Aprendo um monte de coisas sobre universos diferentes do meu e ainda me divirto”, dizia ela orgulhosa do seu vício televino.

Mamãe visitou comigo muitas locações de filmes e seriados pelo mundo afora. Foi uma grande incentivadora do nosso portal “Hollywood é Aqui”, que é fruto da minha paixão pelo entretenimento, que sempre foi incentivada por ela, que também amava música e teatro.

No seu carro tocava de Pavarotti a Gal Costa, passando pelos clássicos de Zeca Pagodinho e Clara Nunes. E, na Broadway assistimos muitos espetáculos, inclusive Glenn Close em Sunset Boulevard. Mas sua musa mesmo era Marília Pêra que teve a chance de aplaudir ao vivo algumas vezes nos palcos cariocas.

Para quem achava que televisão “emburrecia” e o certo era consumir livros e incentivar os filhos a lerem, mamãe também tinha um recado: “Eu amo ler. Esse é meu melhor hábito e aposto que leio mais livros do que essa gente que nem assiste TV e fica criticando os outros. Meus filhos sempre me veem com um livro nas mãos, se eles gostarem também, ótimo pra eles. Incentivo mostrando pra eles que eu gosto”.

Mamãe partiu em dezembro depois de quase dois anos lutando contra um câncer de cérebro. Deixou uma quantidade gigante de livros (todos lidos e alguns relidos) para serem doados. E seus programas de televisão, assim como suas músicas preferidas, fizeram companhia a ela até o fim.

Em homenagem à trajetória da mamãe e às séries, peças de teatro, filmes e músicas que a divertiram ao longo de sua jornada, nesse Dia Internacional da Mulher, gostaria de honrar as nossas leitoras, colaboradoras, todas as mulheres que trabalham na frente e por trás das câmeras das séries, filmes, reality shows e espetáculos de teatro que nos entretém diariamente, todas as cantoras, compositoras e artistas que estão por trás das músicas que compõe a trilha sonora de nossas vidas e todas as divas que sobem ao palco e dão um show de interpretação ao vivo. As mulheres do circo que rodam o mundo espalhando alegria.

As roteiristas e escritoras que criam personagens, compartilham histórias, na telinha, telona e nas páginas dos livros capazes de mudar as nossas trajetórias.

Mamãe sempre se sentiu inspirada por elas e dizia que “nada melhor que um bom livro, um filme ou um programa de TV pra nos distrair dos problemas do dia a dia e uma musiquinha pra nos acompanhar nas viagens.”

A vocês mulheres do entretenimento que nem sempre são valorizadas. As jornalistas que escrevem sobre o assunto e são responsáveis por divulgar tantos projetos nos mais diversos veículos de mídia e redes sociais. As fãs que consomem e são a razão real que todo esse universo existe. As nossas colunistas, Raquel, Yas, Luana, Débora, Ana Beatriz e nossa editora Moniquinha, que são o pilar que sustenta o Hollywood é Aqui.

Equipe HEA (da esq. para a direita): Claudia, Raquel, Mônica, Luana, Yasmin, Débora e Ana Beatriz

A você mamãe por ter me permitido ser eu mesma e que me ensinou também a não me importar com a opinião alheia, obrigada. Continuarei seguindo à risca suas dicas e me divertindo com o que me dá prazer.

Feliz Dia Internacional da Mulher!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *