Entrevista com Rachel Shukert – Showrunner da série “O Clube das Babás”

Por: Luana Mattos

“O Clube das Babás”, nova série da Netflix voltada para o público adolescente, pode ser rapidamente comparada aos seriados da Disney, porém, a série, que é baseada na saga de livros de Ann M. Martin, tem se mostrado bastante atrativa ao público mais adulto. Divertida e cativante, a trama se desenrola despretensiosamente e nos convida para uma maratona de risos, lágrimas, primeiros amores e amizades verdadeiras.

Tive a oportunidade de conversar com a Showrunner da série, Rachel Shukert, que é também conhecida por seu trabalho na dramédia “GLOW”. Nesta entrevista, Shukert fala sobre sua trajetória como escritora, e sobre a importância de criar séries onde as mulheres tenham mais destaque e reconhecimento.

Luana Mattos: Recentemente, conheci mais o seu trabalho e estou muito impressionada com a sua versatilidade; você escreveu e produziu alguns episódios de “GLOW” e agora traz de volta o “Clube das Babás”, que também tem superados as expectativas! Parabéns por ambos!

Você poderia nos contar um pouco sobre sua experiência como escritora? Você também é uma autora, poderia nos contar sobre seus livros e como você se tornou produtora e escritora de TV?

Rachel Shukert: Minha trajetória tem sido um pouco inusitada. Minha formação é em teatro, como dramaturga. No início dos meus 20 anos, comecei a escrever matérias e artigos pessoais para sites, revistas e outras publicações para ganhar a vida, e eles ganharam um número suficiente de seguidores que me garantiu um contrato de livro para uma coleção de matérias e, em seguida, para um livro de memórias.

Minhas memórias chamaram atenção em Hollywood (enquanto eu ainda escrevia e produzia peças em Nova York), e escrever para cinema e televisão começou a parecer mais como uma carreira viável. Havia muitas viagens a Los Angeles para reuniões, onde as pessoas me diziam coisas como: “Nós amamos você! Nos avise quando você se mudar!” Finalmente, eu fiz isso em 2013 e comecei a procurar escrever para TV a sério.

Consegui meu primeiro emprego na equipe no ano seguinte e, de lá para cá, foi meio que uma bola de neve. Então, eu estava um pouco mais adiantada na minha carreira de escritora quando comecei, mas acho que foi realmente útil, pois eu tinha muita experiência escrevendo em tantos meios. Eu poderia me aprofundar em um personagem como romancista, mas também cumprir um prazo como uma blogueira de conteúdo!

L.M: Pessoalmente, eu não conhecia a série de livros do “Clubes das Babás” e nem a série dos anos 90, acredito que a maioria dos brasileiros também não. Você poderia nos contar um pouco sobre o enredo e por que decidiu trazê-lo de volta agora?

R.S: Os livros do BSC (Baby-Sitters Club) eram muito populares nos EUA quando eu era criança. Eu os li e fiquei obcecada por eles, como quase todos os meus amigos. Então, é claro, eu mergulhei com tudo quando surgiu a chance de adaptar uma propriedade tão amada e trazê-la para os dias atuais para um novo público – que eu sabia que se apaixonaria pelos personagens assim como eu me apaixonei. Mas também parecia adequado exclusivamente para o momento. O BSC é sobre um grupo de meninas que iniciam um negócio de babás, mas também é uma história de amadurecimento sobre elas mesmas e sua amizade, à medida que começam a se conhecer e a navegar pelo mundo ao seu redor. E é sempre através da lente de tentar ser uma boa pessoa, um cidadão responsável, alguém que é gentil, prestativo e empático, mesmo de maneiras que parecem pequenas. Mesmo pequenas coisas podem fazer uma grande diferença. Defendendo alguém que precisa de um advogado. Ajudando um pai oprimido. Ouvir os outros e levar a sério suas preocupações e experiências. Sendo gentil. Todas as mensagens muito importantes para divulgar no mundo agora.

L.M: Ser babá não é fácil! Claro, existem babás como as da Agência de Babás (grupo rival na série) e existem babás que realmente se importam como o Clube das Babás. Eu fui babá quando tinha entre 12 e 15 anos e, pessoalmente, posso dizer que isso me moldou como profissional, porque aprendemos muito sobre responsabilidades e cuidados. Você foi babá quando era mais jovem? O que você acha deste trabalho para as meninas hoje em dia?

R.S: Eu fui! Eu tinha uma irmã mais nova e primos mais novos que eu cuidava, e tinha alguns filhos na vizinhança ou filhos de amigos da família que eu também cuidava de vez em quando. Foi realmente valioso como escritor, porque é uma janela para outras famílias, vidas de outras pessoas. E isso me fez sentir madura e confiável, o que eu acho que me levou a realmente me tornar mais madura e confiável. Eu acho que é uma coisa ótima para meninas e meninos fazerem. É uma coisa poderosa aprender como ser uma pessoa na qual os outros podem confiar e que está lá quando precisam.

L.M: O elenco é incrível! Eu reconheci alguns rostos de “Glow” (a Kimmy Gatewood trabalhou como diretora, certo?) E as meninas são maravilhosas! Os espectadores elogiaram o fato de que as meninas são realmente adolescentes; e é sempre bom ver Alicia Silverstone na TV. Você pode nos contar um pouco sobre o processo de escolha do elenco?

R.S: Sim! Kimmy dirigiu um episódio – aquele com o casamento! – e Rebekka Johnson, sua parceira de comédia em “GLOW”, interpretou uma das mães. Eu amo as duas e foi muito divertido trabalhar com elas nesse contexto. O processo de seleção foi intenso – vimos cerca de 2000 meninas para os papéis principais de toda a América do Norte e além. O que foi mais importante para nós foi encontrar garotas que realmente sentissem que tinham a mesma energia que as personagens, que pudessem realmente trazer muito de si para os papéis, e também tivessem química entre si e parecessem amigas. Eu acho que nós – e nossos maravilhosos diretores de elenco – acertamos em cheio!

L.M: Eu tenho que falar um pouco sobre “Glow”! A série realmente me surpreendeu, porque é nos anos 80 e as mulheres estavam criando seu próprio caminho na televisão e, indo e vindo, vemos que muita coisa mudou para as mulheres, mas muita coisa não mudou. Qual a sua opinião sobre isso? Como escritora e produtora, qual a importância de você produzir programas em que as mulheres conseguem mais falas e melhores papéis?

R.S: Extremamente importante! Em parte, porque acredito conscientemente que as mulheres precisam de maior representação na mídia e precisam contar suas histórias. Mas também, eu acho que porque sou uma mulher, para mim o protagonista padrão também é quase sempre uma mulher. É assim que penso organicamente como criador. E as mulheres são tão complicadas, interessantes e multifacetadas, e isso não é algo que você vê o tempo todo, embora isso esteja começando a mudar.

L.M: E por último, gostaria de enviar uma mensagem ao público brasileiro?

R.S: Aguentem firme e se protejam! Eu espero que gostem da série!

“Meu nome é Luana Mattos, sou gaúcha, cristã, apaixonada por jornalismo e idiomas. Descobri nas palavras meu refúgio, e além disso, descobri que elas podem mudar o mundo! Adoro escrever sobre entretenimento, vida, fé e comportamento.”
@luanatmattos

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *