Uma viagem ao mundo de Nicholas Sparks

Por: Luana Mattos

Quando o isolamento social começou, o primeiro filme que eu assisti foi “O Diário de uma Paixão”, isso porque o Nicholas Sparks havia tuitado uma cena do filme e logo um sentimento de nostalgia tomou conta de mim. É engraçado como alguns filmes são atemporais, não importa em que momento você assista ou que idade você tenha, eles sempre irão te ensinar algo.

E cá entre nós, Nicholas Sparks sabe como criar histórias assim, né? Sou suspeita para falar, porque sou fã de carteirinha do autor, que me faz chorar com os seus livros desde que eu tinha 12 anos. O primeiro livro que li foi “Uma carta de amor”, que peguei emprestado na biblioteca pública da minha cidade, naquele tempo não era tão comum termos coleções pessoais de livros.

Naquela época os autores não eram tão acessíveis quanto hoje, e nunca passaria pela minha cabeça que um dia eu teria a oportunidade de entrevistá-lo! Mas anos depois, graças ao HEA, que me cedeu este espaço, e à tecnologia, que aproxima as geografias, eu tive a oportunidade conversar com Nicholas sobre suas obras.

Sem sair de casa, te convido a embarcar conosco numa viagem ao mundo de Nicholas Sparks e rever trechos desta entrevista e curiosidades sobre as adaptações cinematográficas que marcaram gerações.

Sobre o autor: Nicholas tem cinco filhos, e você encontrará o nome deles em seus personagens como Miles e Ryan (“Uma curva na estrada”), Landon (“Um amor para recordar”), Lexie (“O Milagre”, “À primeira vista”) e Savannah (“Querido John”).

Seu primeiro romance foi “O Diário de uma Paixão”, na época Nicholas trabalhava vendendo produtos farmacêuticos, e o escreveu nas horas livres (gente, ele escreveu enquanto trabalhava — e você está fazendo o que durante a quarentena?)

O Diário de uma Paixão: A história é baseada em fatos reais, e sua inspiração para escrever o livro veio da história de amor dos avós da, então, esposa de Nicholas Sparks.

Curiosidades sobre o filme: Rachel McAdams e Ryan Gosling se odiavam e o clima entre eles era tenso nos bastidores. O casal chegou a namorar depois da estreia do filme, mas, como já era de se esperar, o relacionamento não durou muito. Ainda assim, eles conseguiram dar vida a uma das histórias de amor mais belas de todos os tempos, e nós somos gratos por isso!

Muitas atrizes tentaram emplacar o papel de Allie, entre elas estão Britney Spears e Jessica Biel, mas Rachel levou a melhor. Tom Cruise chegou a ser cogitado para o papel de Noah, porém, ele era “muito bonito” para o personagem, que deveria se parecer mais como um homem comum.

A Última Música: Esse foi o romance que não somente apresentou Liam Hamsworth ao mundo como uniu ele e Miley Cyrus num relacionamento de longa data, e muitas idas e vindas (eu ainda torço pelo casal). Diferente dos demais, o filme veio antes do livro, Nicholas foi convidado a escrever o roteiro do filme, e lançou o livro pouco antes da estreia do filme.

A ideia por trás da produção era apresentar outra faceta de Miley que na época ainda estava bastante ligada à Hanna Montana (personagem que consagrou sua carreira na Disney). Como o roteiro foi escrito tendo a Miley em mente como personagem central, a atriz participou na escolha do nome de sua personagem, Ronnie, que foi em homenagem a seu avô, Ron Cyrus que havia falecido em 2006.

 

Querido John: É um dos meus livros favoritos do Nicholas, na verdade, o John é um dos meus personagens favoritos, e eu nem sei explicar porque, ele simplesmente é. E pra mim, o livro merecia uma continuação, por isso essa foi de cara a minha primeira pergunta ao autor.

L: “Querido John” é uma das histórias de amor mais genuínas, com um final inacabado que nos faz querer uma continuação, você tem planos de dar continuidade a essa história algum dia?
Nicholas Sparks: No momento não, pois estou atualmente trabalhando em meu próximo romance. Estou contente em deixar como está no momento. Contudo, você nunca sabe o que pode acontecer no futuro.

O Melhor de Mim: Eu amo esse romance, e super indico a todos. Inclusive, vale a pena conferir a resenha que publicamos sobre o livro/filme:

https://www.hollywoodeaqui.com/nicholas-sparks-o-melhor-de-mim/

L: “O melhor de mim” me deixou sem palavras, eu definitivamente não esperava aquele final. De onde veio sua inspiração para escrever essa história?
N.S: Quando eu me sentei para escrever “O melhor de mim”, eu sabia que queria focar em personagens de meia idade, pessoas com seus quarenta e poucos anos, que começam a confrontar os “e se’s” e a terem segundas opiniões a respeito das escolhas que fizeram quando jovens. Para Amanda, ela se questiona o que teria acontecido se tivesse se casado com o homem que amava ao invés de outra pessoa? Na verdade, eu já havia usado um funeral para juntas velhos amigos em um manuscrito que não foi publicado, mas eu usei isso novamente em “O melhor de mim” porque isso se encaixou naturalmente a esses personagens. Quando alguém morre, isso literalmente nos induz a perguntar “e se…?”, isso faz você analisar a vida que está vivendo de uma forma, que eu acredito ser essencial para o crescimento de Amanda e Dawson no decorrer do livro. Com esses grandes questionamentos em mente, a história começa a desenvolver em minha cabeça, e eventualmente, no papel.

As adaptações cinematográficas dos romances de Nicholas Sparks raramente irão fugir da história do livro, algumas mudanças são necessárias, algumas cenas precisam ser cortadas, mas em geral conseguem entregar para o telespectador um bom resultado, e o segredo disso o Nicholas nos contou neste trecho da nossa entrevista:

L: Como você se sente assistindo seus romances nas telonas? Você tem participação nos roteiros e na escolha do elenco?
N.S: Eu tenho a sorte que os filmes adaptados de meus romances têm sido benfeitos e bem-sucedidos, então para mim, é sempre divertido. Obviamente, conforme o projeto avança, há sempre muito trabalho também, e, às vezes, nem sempre é fácil. Estou envolvido em tudo, desde o desenvolvimento do roteiro até a seleção do diretor e elenco. Tecnicamente, eu sou agora um produtor em meus filmes, mas eu sempre estive envolvido, e acho que todas as adaptações têm sido surpreendentes, e eu não poderia estar mais feliz.

Entre os sucessos do autor que foram para as telonas estão ainda os títulos:
Uma carta de amor (1999);
Um amor para recordar (2002);
Noites de Tormenta (2008);
Um homem de sorte (2012);
Um porto seguro (2013);
Uma longa jornada (2015);
A Escolha (2016).

Confira a entrevista na íntegra:

https://www.hollywoodeaqui.com/nicholas-sparks-bate-um-papo-exclusivo-com-o-hea/

 

“Um ser humano que chora, ri, se decepciona e se surpreende, mas acima de tudo alguém que teve a vida transformada por Jesus. Ama ler e escrever, e acredita que as palavras têm poder e que podemos mudar o mundo através delas.”
@luanatmattos

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *