Viggo Mortensen e Michael Keaton estrelam dramas sensíveis no Sundance Film Festival

Por: Gabriela Egito, enviada especial ao Sundance Film Festival

Dois astros indicados ao Oscar protagonizam dramas intensos lançados nesta edição do festival e que prometem fazer bonito na próxima temporada de premiações.

Viggo Mortensen, ator indicado ao Oscar por “Green Book: O Guia”, “Capitão Fantástico” e “Senhores do Crime”, mas mais conhecido como Aragorn de “O Senhor do Anéis”, estreia no Sundance também como roteirista e diretor de “Falling”. O filme, inspirado nas memórias do ator, conta a história de um pai idoso e extremamente conservador (Lance Henriksen, de “Aliens, O Resgate”) que se muda de sua fazenda rural para morar com a família de seu filho gay em Los Angeles.

Nessa transição, vêm à tona todos os conflitos familiares, mostrando um pai que alternava entre a ausência e o abuso. Um homem violento que nunca aceitou a homossexualidade do filho e abertamente emite toda a sorte de impropérios dos mais politicamente incorretos possíveis a quem cruzar o caminho dele. É um papel e tanto! No início, o estereótipo de “velho desbocado” parece engraçado, mas logo o roteiro de Viggo ultrapassa essa linha para o desconforto do praticamente intolerável na cultura progressista atual. O ator/roteirista/diretor interpreta o filho gay, piloto de avião comercial, casado com um enfermeiro filipino. O casal tem uma filha adotiva latina.

O que vemos são momentos dramáticos da mais pura lavação de roupa suja, passando por homofobia, misoginia (muita!), racismo e xenofobia, dentre outros preconceitos que saem da boca de um senhor intratável. Diante de tanto abuso emocional, nos perguntarmos onde o filho ainda consegue encontrar compaixão para cuidar desse pai doente, enfrentando demência, mas que recusa qualquer tratamento. O longa ainda não tem data de lançamento prevista nos EUA.

O outro astro que estreou novo filme no Sundance é Michael Keaton, indicado ao Oscar por “Birdman” (ou “A Inesperada Virtude da Ignorância”)” e conhecido como Vulture em “Homem-Aranha: De Volta ao Lar”. Em “Worth”, ele interpreta um advogado contratado pelo governo americano para calcular as indenizações a serem pagas às famílias das vítimas do atentado do 11 de Setembro.

Baseado em fatos reais, o filme abre com a questão: “Quanto vale uma vida?”. E Keaton, na pele do advogado financeiro Ken Feinberg, passa a explicar que se dá por uma somatória do salário e do quanto essa pessoa potencialmente produziria em vida, sua idade ao morrer, se tinha cônjuge ou não, se tinha filhos. Seguindo esse raciocínio frio e calculista, a vida de um alto executivo morto no atentado valeria pelo menos 14 milhões de dólares enquanto a de um zelador, que morreu no mesmo evento, chegaria no máximo a 200 mil dólares.

O que para o advogado de finanças parece óbvio, já que ele inventou os parâmetros para esse cálculo, provoca furor na primeira assembleia dele com os familiares das vítimas por seu teor imoral. Não que as pessoas planejem ficar ricas, mas elas querem que a morte de seus entes queridos não passe em branco, que tenha seu valor reconhecido de maneira justa e digna.

O personagem de Keaton passa então boa parte do filme tentando provar que os cálculos dele estão corretos e que não devem ser alterados. Ele trava uma queda de braço com advogados de vítimas ricas. Por outro lado, ouve calorosos agradecimentos de famílias de imigrantes latinos por pagar trocados em comparação ao que está destinado à elite.

A trama se transforma em uma gincana contra o relógio, já que a equipe de Keaton tem dois anos para fazer todas as 7 mil famílias assinarem os acordos de indenização. A missão fracassa fragorosamente até os 45 minutos do segundo tempo, quando o advogado finalmente resolve ouvir os testemunhos dos familiares mediante a insistência de seus subordinados.

É o que salva o filme dirigido por Sara Colangelo (“A Professora do Jardim de Infância”). Os relatos vívidos, interpretados por atores desconhecidos e filmados quase que de forma documental, são emocionantes e fazem jus ao tamanho da tragédia que mudou para sempre a história mundial. Prepare o lenço para vivenciar esse luto!

No mais, a história assinada por Max Borenstein (“Godzilla” e “Kong: A Ilha da Caveira”) deixa muito a desejar. Após ouvir relatos, o advogado tem uma mudança repentina de atitude cujas consequências concretas não ficam muito claras. Em uma resolução meio mágica, ele se transforma em um cara boa gente e sensível, o rei da empatia, passando a propor acordos que beneficiem de alguma forma a parte interessada, embora não haja qualquer sinal de que isso signifique nivelar substancialmente as indenizações para ricos e pobres. Faz questionar se não é um desserviço retratar o homem que vive de calcular monetariamente o valor da vida de vítimas de grandes tragédias americanas como um herói.

 

Gabriela Egito é jornalista há duas décadas, uma delas vivendo em Los Angeles. No Brasil, trabalhou como repórter e editora em diversos jornais e revistas de circulação nacional sediados em São Paulo, Espírito Santo e Alagoas. Nos EUA, tem atuado também como cineasta premiada em festivais internacionais.
@luanatmattos

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *